Recado com Endereço Certo - Julio Bianco

Recado com Endereço Certo 23-12-2017

TCHAU 2017, VEM COM TUDO 2018!
Pois é, queridos, iludidos e enganados leitores, esta é a última calúnia, digo, coluna de 2017. Foi muito bom ter sido possível ‘conversar’ com vocês semanalmente através dessas mal traçadas.
No momento que estiverem lendo meus comentários, estarei em Fartura, com minha família, curtindo as emoções de mais um Natal e mais um Ano Novo. Mas, e sempre existe um mas, podem ter certeza que quando o relógio no seu incansável caminhar estiver se aproximando das 24 horas do dia 31 de Dezembro estarei também lembrando de todos, agradecendo e esperando que continuemos juntos em 2018.

…E POR FALAR EM 2018, o ano que se aproxima será muito importante, vamos ver se os ‘heróis de Facebook’ se tornam heróis de fato na vida real, e na hora de votar não esqueçam as ‘maldades’ feitas conosco nesse absurdo 2017.
Em 2018 desejo, pro País, uma renovação, total, se possível, embora saiba que isso jamais acontecerá. Pra Potatoes City espero que a ‘máquina administrativa’ comece a funcionar, pelo menos um pouco, e que saia do buraco (literalmente, ah-ah!) em que se manteve durante todo 2017.
Pra terminar o ano editorialmente peço que prestem atenção em três manchetes que se seguem, elas retratam muito bem o que foi esse quase falecido 2017

Manchete 1
‘PMDB foi o partido que perdeu mais filiados ao longo de 2017’
Dentre os 35 partidos registrados no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o PMDB foi o que mais perdeu filiados em 2017. Ao fim do mês passado, a legenda tinha 2.396.880 integrantes registrados no Tribunal, 4.922 a menos que em Novembro de 2016.
A sigla abriu este ano com 2.401.802 peemedebistas. Desde então, o partido chegou a ter uma redução de 13 mil integrantes de um mês para o outro, entre Agosto e Setembro desse ano.

Manchete 2
‘Odebrecht confessa formação de cartel durante Governos tucanos em São Paulo’
Documentos entregues pela Odebrecht à Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) apontam a formação de cartel no Rodoanel e no Programa de Desenvolvimento do Sistema Viário Estratégico Metropolitano de São Paulo.
O esquema, de acordo com o material da empreiteira, operou de 2004 até 2015 em obras que custaram cerca de R$ 10 bilhões aos cofres públicos. Neste período, o Estado de São Paulo foi governado pelos tucanos Geraldo Alckmin (2004-06), José Serra (2007-2010) e Alberto Goldman (2010), além de Claudio Lembo, do PFL (2006).

Manchete 3
‘Na última sessão do ano, Câmara de SP aprova pagamento de 13º a Vereadores’
A Câmara Municipal de São Paulo aprovou na noite desta segunda-feira (18), quase terça (19), uma alteração na Lei Orgânica da Cidade para autorizar o pagamento do 13º salário para Prefeito, Vice-Prefeito e para os próprios Vereadores.
A decisão acontece após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir, em Fevereiro, que é constitucional o pagamento do salário adicional para essas categorias. A alteração promovida pelos Vereadores de São Paulo incorpora ao Município a decisão Federal.
O Projeto de Lei recebeu 44 votos favoráveis e quatro contrários, dos Vereadores Sâmia Bomfim (PSOL) e Janaína Lima (Novo), e dos Vereadores Toninho Vespoli (PSOL) e Fernando Holiday (DEM), que foi provocado, em tom de brincadeira, por outros parlamentares, que diziam que ele deveria então repassar sua parte dos vencimentos. Em 2017, com os 55 Vereadores recebendo cada um cerca de R$ 18 mil, o Orçamento da Câmara terá impacto de cerca de R$ 1 milhão com a medida.
E dando os tramites por findos, dois textos, um bem humorado, no estilo da calúnia, digo, coluna; o outro pra gente refletir, e entender a importância das ‘pequenas coisas’…

Texto 1
Já que estamos na última edição de 2017, repaginei um texto sobre o tsunami de ‘religiões exóticas’ que abundam pelo Brasil… Hoje, em cada Cidade, quase que em cada rua, vemos uma infinidade de ‘templos religiosos’, isentos de impostos, vendendo falsos milagres e enchendo as burras (pra alegria e crença dos burros) com pregadores, disfarçados de evangelizadores…
Foi pensando nisso que pesquisei nomes realmente estranhos de algumas ‘igrejas’ e ‘templos’… Vem comigo…
‘Comunidade do Coração Reciclado (Uma igreja ecologicamente correta); Igreja Abre-Te-Sésamo (Quem seria o pastor? Ali Babá ou os 40 ladrões?); Igreja Ave César (Julius, Nero ou Calígula?); Igreja Bambolês Sagrados (Será que durante o culto dançam o Rebolation?); Igreja Bate Palmas 40 Dias (Preferida por nove entre 10 macacas de auditório!); Igreja Batista a Paz do Senhor e Anti-Globo (Faria parte da Record?); Igreja Batista Cópia de Perfeição (Patrocinada pela Xerox?); Igreja Batista da Mão Santa (Dizem que é prima da Mão Boba); Igreja Batista da Velhice Tranquila (Será que tem direito a plano de aposentadoria privada?); Igreja Batista Incêndio de Benção (Tem sempre bombeiros de plantão durante o culto); Igreja Batista Moça Bonita (as feias não são aceitas); Igreja Congrecional Boca de Peixe (Que engole a isca?); Igreja Congrecional Exigimos a Graça de Deus (Enquadram o Poderoso!); Igreja Cristo é Show (Rock, pagode, breganejo Funk, Rap ou Sertanojo Universitário?); Igreja da Fortuna (Aí tem dedo do Temer…); Igreja da Mão Encolhida e Mirrada (Exclusiva para deficientes físicos?); Igreja da Revelação Rápida (Pra quem ainda não em máquina fotográfica digital); Igreja de Deus que se reúne nas Casas (Até que rodem a sacolinha e construam um templo…); Igreja de Kantahlahbassyí (‘Sopa de Letrinha’, pros íntimos); Igreja do Evangelho Triangular no Brasil (não desce redondo…); Igreja do Louvre (Santa Mona Lisa!); Igreja do Rio que Corre Torto (Por acaso os fiéis seguem o curso do rio?); Igreja dos Anjos e suas Trombetas Estridentes (Coitados dos vizinhos); Igreja Evangélica Brasileira da Boa Intenção (Dizem que delas – as intenções – o inferno está cheio); Igreja Evangélica dos Caçadores de Almas Perdidas (Juram que o fundador foi Indiana Jones); Igreja Evangélica Passa Três (Perdeu pra Santa Rita, pois lá Passa Quatro); Igreja Evangélica Rodeio dos Milagres (seguuuuura, peão!!!); Igreja Evangélica Sai Fora do Saleiro (sara qualquer hipertensão…); Igreja Loucos Por Cristo (Lá também tem um bando de loucos); Igreja Pentecostal Controvérsia (Dizem que é, mas talvez não seja, quem sabe?); Igreja Pentecostal Boca de Leão (Só pro pessoal da Receita Federal?); Igreja Torre de Babel (Ninguém se entende!); Igreja Universal Cadê a Minha Benção (O gato comeu); Templo Evangélico Caldeirão da Benção (Pastor Luciano Huck); Templo Religioso dos Banquetes e Festas (Só não pode rezar de boca cheia); Comunidade Arqueiros de Cristo (Uma flecha certeira no pecado)… Depois disso, só encerrando com um Valha-me Deus!

Texto 2
A ESPERANÇA DO NATAL
O Natal é o símbolo da esperança. Mas terá havido algum dia uma esperança com menos probabilidades de realizar-se do que a nascida em Belém, naquela noite cinzenta de Dezembro, há mais de dois mil anos? Que incongruência patética! Um recém-nascido proclamado ameaça ao poderio avassalador do Império Romano! O pequeno Jesus lançado contra o poderoso César!
Entretanto, que é feito hoje do poderio de César? Seus exércitos pertencem à história, seu império desmoronou-se, sua influência é quase nula. Mas as coisas que Jesus falou – aqueles ideais intangíveis, aquelas palavras de esperança – sobreviveram ao mundo material em que se fizeram ouvir e foram adquirindo nova força no correr dos séculos. É esse o fundamento da esperança que nasce de novo cada Dia de Natal.
Como parece inócuo, às vezes, acreditar que o amor e a boa vontade possam triunfar sobre o ódio organizado, sobre os corruptos e os corruptores que campeiam em nosso mundo! Parece uma luta tão desigual! Como podemos então, em face da dura realidade a vida, em plena era da informática avançada, encontrar esperança na história encantadora, mas aparentemente antiquada, que é a história do Natal? Por onde começamos?
Começamos por onde começaram os que se reuniram em torno da manjedoura. Nosso mundo está perturbado? O deles também estava. Sentimentalizamos tanto o Natal que temos pouca compreensão do mundo sangrento, brutal e violento em que nasceu o Menino Jesus. Se o pequeno grupo reunido no estábulo olhasse a maldade e a injustiça que enchiam seu mundo, bem poderia ter gritado em desespero: “Vejam ao que chegou o mundo!” Em vez disso, olharam a criancinha adormecida e gritaram: “Vejam o que chegou ao mundo!”
Como podemos fazer eco a essa esperança? Como podemos dar vida a dias melhores?
Podemos começar como Deus começa, com pequenas coisas. Quando Deus quer fazer crescer uma árvore, Ele planta uma semente. Quando Deus quer construir um universo, Ele começa com o átomo. Quando Deus quer mudar os corações dos homens, Ele manda uma criança para uma manjedoura.
Devemos começar com as coisas banais que temos ao alcance da mão. É essencial sonhar grandes sonhos, mas a esperança não brota só de sonhos. Casada ao sonho deve estar a ação. Nas palavras de Salomão: ‘Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme tuas forças’.
Todas as grandes realizações têm um começo humilde. Começa-se a compor a Quinta Sinfonia estudando escalas. Começa-se a inventar fabricação em massa de veículos aprendendo a consertar relógios. Começa-se a conceber a teoria da relatividade aprendendo a tabuada de multiplicar. ‘Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o!’
Será otimismo fácil e superficial sustentar a esperança de que um indivíduo pode fazer alguma coisa para enfrentar as grandes necessidades do nosso tempo? No nosso Mundo imponente e impessoal, podemos acreditar na influência do indivíduo anônimo?
A título de resposta, pensem nos homens que seguiram Jesus quando ele atingiu a idade adulta. Hoje são venerados. Mas, que eram eles quando Jesus os chamou? Eram trabalhadores típicos – pescadores, coletores de impostos, ‘a gente comum que o ouvia com satisfação’. Eram indistinguíveis dos milhões que o cercavam… Até que conheceram Jesus. A fé que Jesus teve neles fez-lhes nascer a fé em Deus, e esses homens, até então desinteressantes, saíram para revolucionar o mundo e mudar o curso da história.
Será isso uma insinuação de que qualquer pessoa pode influenciar os negócios do Mundo? É. Há em nós capacidades e poderes que estão além da nossa compreensão. A fé pode trazer-nos sabedoria para perceber o que podemos fazer e força para fazê-lo.
Por pouco importantes que possamos parecer, por pouco preparados que possamos ser, por impossível que o problema se possa mostrar, adquirimos esperança quando olhamos de novo para o berço de uma criança, no coração de um antigo império, e aprendemos a ‘não desprezar o dia das pequenas coisas’.
Todos os dias de Natal nasce uma esperança, uma esperança como a estrela cintilante que se tornou o dedo de Deus apontando para Belém e para o futuro. Eis a esperança do Natal: embora possam parecer sombrias as perspectivas, a única escuridão que devemos temer é a escuridão dentro de nós’.
Assim, queridos e iludidos e enganados leitores da calúnia, digo, coluna, é a minha maneira de lhes desejar um Natal com saúde, amor e felicidade. Quanto ao Ano Novo, que ele seja realmente Novo. Que vocês tenham a coragem para criar novos caminhos. Que não se contentem com o comum, embora esse comum seja necessário, mas é preciso ir além, é preciso ousar. Não basta aceitar, é preciso questionar. O ‘Por que’ deve preceder sempre o ‘Tudo Bem’.

RECADO FINAL